7 RAZÕES PELAS QUAIS É TÃO DIFÍCIL ROMPER UMA RELAÇÃO ABUSIVA

Viver uma relação abusiva pode ser como habitar uma prisão sem grades. Não basta simplesmente dizer saia e pronto. Quem dera fosse tão simples assim!

Quem não sai de relação abusiva é porque não consegue. É porque está paralisado(a) psiquicamente. E não tem nada de certo nisso! Com certeza é algo que merece atenção e ajuda. E não adianta de nada dizer para uma vítima de relação abusiva que ela não tem autoestima. É o mesmo que dizer que o problema de um depressivo é que ele não tem energia ou que o problema de um alcoolista é que ele é viciado: além de não ajudar em nada a resolver o problema e apontar apenas o óbvio, isso faz com que a pessoa se sinta pior, o que tende a dificultar ainda mais as coisas.

Mas você sabe por que é tão difícil assim sair desse tipo de relação? Entenda aqui alguns motivos.

POR ACREDITAR QUE O OUTRO PODE MUDAR

Com muita frequência, quem está numa relação abusiva investe muito acreditando no amor. Pouco a pouco, abdica da própria identidade, das coisas que faz, dos amigos e do Eu. Tudo pode ter um começo sutil, com exigências escondidas em pedidos de carinho ou por trás de um ciúme ‘bonitinho’. Quando a aposta é tão alta, como aceitar que tudo está errado? As promessas que, do outro lado, estão presentes desde o início do relacionamento são sedutoras demais. O sonho de que se sente falta possivelmente nunca existiu, mas exerce fascínio deslumbrante. “Ele(a) vai mudar! Essa é a última vez!” – e a cada passo se mergulha mais na escuridão e fica mais difícil voltar, violando os próprios limites.

Quando tudo o que se tem é o outro, escolher não acreditar nele(a) é se jogar no vazio agonizante.

POR DEPENDÊNCIA FINANCEIRA

Tão paralisadora quanto a dependência emocional é a dependência financeira. Inconscientes do abuso, não raro as vítimas de relações abusivas contraem empréstimos, gastam para além do que tem ou abandonam seus empregos em função do parceiro. O que elas não podem ver é que, logo a frente, sua dedicação amorosa e financeira intensificará ainda mais o seu cárcere. Sem saber o que fazer e sem apoio, o que resta é ficar.

Se o seu amor cobra que você não ganhe nada, ainda que disfarçado de promessas de que você merece todo o mundo, desconfie! Se exige que você ganhe menos (ou mais!) para se sentir confortável, abra os seus olhos!

Não deixe que essa prisão se forme ao redor de você!

POR MEDO DE AMEAÇAS À PRÓPRIA VIDA

Não dá para negar, as ameaças reais existem! Como sair de uma relação quando existe a ameaça real, seja à vida ou à integridade?

Alguns parceiros abusivos recorrem ao extremo da violência: ameaçam matar a vítima e até os próprios filhos, caso o deixem. Cativas dessa relação, quem sofre este tipo de ameaça vive o terror em sua forma mais escancarada. Esse tipo de coação pode também vir na forma de ameaça de suicídio: “se você me deixar, eu me mato”. Culpada, a vítima fica acorrentada a esta relação, responsabilizada pelo outro e incapaz de perceber que abre mão da própria vida pela do parceiro.

E não pense você que este tipo de prisão é exclusiva das mulheres! Os homens também sofrem ameaças contra a vida, além de jurídicas: “se você me deixar, te denuncio na Maria da Penha e te coloco na cadeia”.

Lembre-se: o silêncio apenas fortalece o agressor. Procure ajuda!

PELA CRENÇA DE QUE NUNCA MAIS ENCONTRARÁ ALGUÉM

Dentre os fatores que tornam uma pessoa predisposta a uma relação abusiva figura a baixa autoestima. A crença de nunca ter sido olhado(a) daquele jeito, de ter imaginado jamais encontrar um amor ‘verdadeiro’ são alguns dos motivos que fazem uma relação, mesmo que abusiva, parecer TUDO para a vítima. Abandonar isso é cair no vazio desesperador. A fantasia de ter sido ‘a escolhida’ endossa essa situação. Para tal, é claro, a figura do cafajeste é essencial, uma vez que, para ocupar este lugar, é necessário a existência de outras (isso também pode valer para homens!).

Destruir a autoestima da vítima é parte do abuso perverso. Lenta e sutilmente, o abusador vai corroendo a confiança de sua presa, tornando-a cativa em sua teia. Com frequência, as mesmas características que eram idealizadas na primeira fase do relacionamento são as que são atacadas na segunda. A estratégia para isso pode ir desde a pequenos toques desestabilizadores e subentendidos até a agressões diretas.

Para resgatar a autoestima e a si mesmo(a), é preciso distância e alternativas saudáveis. Redescobrir o próprio brilho é crucial nessa jornada. Você ainda se lembra do que te tornava especial?

POR DUVIDAR DA PRÓPRIA PERCEPÇÃO

O abuso perverso não acontece de forma escancarada; ele é sutil e dissimulado. Através dos cruéis artifícios da manipulação, do paradoxo e da distorção dos fatos (gaslighting), o predador emocional cria verdadeiras fraturas na alma de sua vítima. Assim, a coloca contra si mesma – uma perfeita inimiga. Como resultado, esta passa a acreditar que está louca e se torna incapaz de confiar na própria percepção. Se existe algo errado, deduz que seja nela mesma. É como se bebesse, por vontade própria, pequenas doses de veneno. Este é um tipo de abuso de potencial devastador, equivalente a lavagem cerebral ou torturas de guerra.

Validar o abuso e a dor é o primeiro passo para a libertação. Para isso pode ser vital a ajuda de alguém de fora. Se você conhece alguém nessa armadilha, saiba que sua ajuda e a informação podem ser o único meio de saída!

POR ACREDITAR QUE O ABUSO É AMOR

O que é amor para você?

Para algumas pessoas a própria ideia deste sentimento é uma armadilha. Você acha ciúme bonitinho?! Preste atenção, pois controle não é o mesmo que cuidado. Força e dominação não são o mesmo que masculinidade! Exigir demonstrações sucesso não é valorização da sua masculinidade! O nome disso é servidão. Por acreditarem que essas coisas são amor, o abuso se torna invisível ou mesmo necessário.

Desperte!

Uma relação se torna saudável quando é o amor que a motiva, não o controle ou a obsessão. Quando abre espaço para a diferença e, assim, permite a completa expressão do ser de cada um. Uma relação se torna saudável quando há comunicação, entendimento e confiança. Quando o que se sente no peito é segurança e não medo de perder.

POR MEDO DA SOLIDÃO

Um dos mais poderosos motivos que impedem alguém de sair de uma relação abusiva é o medo da solidão. Mesmo consciente da realidade do abuso, o terror avassalador que a solidão ocasiona pode paralisar a vítima. Isso acontece porque, muitas vezes, já não se tem mais amigos e nem familiares para contar. A vítima de relação abusiva com muita frequência está verdadeiramente sozinha. Abandona seus amigos porque o parceiro não aprova ou tem sua imagem corrompida, de modo que, mesmo os mais próximos, a culpabilizam ao invés de apoiar.

A solidão mais perigosa é a solidão de si mesmo(a). Por isso, se você está em qualquer tipo de relação, não se abandone! Não sacrifique as coisas que você gosta em função do outro.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s